quarta-feira, 4 de outubro de 2017

Niseta Fest 2017: aproximando os jovens da cultura de Okinawa

(fotos: Daniel Ramos)
 
Neste sábado (30), estive no Niseta Fest, evento realizado na Associação Okinawa Kenjin do Brasil.
Este evento foi organizado por jovens participantes do Niseta Tour Brasil, uma iniciativa que promove o intercâmbio cultural entre jovens descendentes de Okinawa do Brasil e de outros países.


O Niseta Fest foi realizado pela primeira vez em 2015, com o intuito de promover o evento Niseta Tour Brasil, que aconteceu no ano seguinte (2016).
O Niseta Tour surgiu a partir de um projeto apresentado em 2006 por dois jovens peruanos, Eric Higa e Christian Gimac, durante uma das edições do Uchinanchu Taikai - um evento que reúne, em Okinawa, descendentes da província oriundos do mundo todo, com o objetivo de preservação e difusão de sua cultura.
Eric e Christian perceberam a necessidade de fazer com que os jovens descendentes de Okinawa se identificassem com sua herança cultural, que vinha sendo deixada de lado. A partir desta iniciativa, realizou-se o primeiro Niseta Tour, em 2007, no Peru.
Em 2012, foi realizada a primeira edição do Niseta Tour em solo brasileiro - após passar por Peru (2013), Argentina (2014) e Bolívia (2015), o evento de intercâmbio voltou a ser realizado no Brasil no ano passado.

Em sua segunda edição, o Niseta Fest foi realizado como uma forma de agradecimento aos participantes do Niseta Tour Brasil 2016.

Participantes do Niseta Tour Brasil 2012: o primeiro realizado
em solo brasileiro (foto: Site Oficial - Niseta Tour Brasil)

Durante todo o evento, foram realizados workshops ao público de escultura em argila - o objetivo aqui era confeccionar um shisá, o leão místico encontrado em templos e residências de Okinawa. 

Workshop de shisá em argila

O foco principal deste evento foram as apresentações culturais, realizadas por grupos de jovens de diversas associações culturais e grupos de cultura okinawana - especialmente apresentações de dança tradicional, sanshin, taiko e shishimai (a dança do leão de Okinawa).

Wadaiko - Okinawa Campinas

Shishimai/dança/eisá - Seinenkai Santo André/Seinenkai Santa Clara

Sanshin - Ryukyu Minyo Hozonkai

Ryukyu Koku Matsuri Daiko
Heroes Sanshin Band

Mas também não faltaram atrações modernas e com uma pegada diferente - uma das apresentações mais interessantes foi a promovida por jovens da Associação Okinawa de Vila Carrão em conjunto com o grupo Santaklauss, que buscou inspiração nos personagens da Disney.
Um outro destaque vai para a banda Ichihan'no, que faz uma mistura entre elementos da música de Okinawa com a música brasileira.

Seinenkai Vila Carrão/Santaklauss - apresentação inspirada
nos personagens Disney

Banda Ichihan'no

E, como em todo bom evento de Okinawa, não poderia faltar o katchashi! Quem se encarregou de fechar o evento e colocar todo mundo pra dançar foi a Heroes Sanshin Band, em conjunto com o Ryukyu Koku Matsuri Daiko, finalizando em grande estilo.

Encerramento do evento - o tradicional katchashi

Sem dúvida, um belo evento, que mostra o quanto é importante preservar a cultura e as raízes - independente de qual a origem, ela não pode ser esquecida.
E são iniciativas como estas que ajudam a cultura, as artes e as tradições a não se perderem com o tempo, sendo transmitidas às gerações futuras.



Gostou desta postagem?
Você pode ajudar o Em Foco a se tornar ainda melhor: acesse https://apoia.se/danielramosemfoco e dê a sua contribuição!


Nenhum comentário:

Postar um comentário