segunda-feira, 14 de março de 2016

Opinião em Foco: Um povo insatisfeito. E com toda a razão

Manifestantes lotaram a Avenida Paulista em São Paulo neste domingo
(foto: Reprodução/Facebook MBL)

Neste domingo, milhões de pessoas pelo Brasil afora foram às ruas protestar contra o atual governo. Pediram, entre outras coisas, a saída da presidente Dilma, a prisão do ex-presidente Lula e o fim da corrupção - além de manifestar apoio ao juiz federal Sérgio Moro e à Operação Lava Jato, que trouxe à tona um esquema bilionário de desvio de dinheiro dentro da Petrobrás.
Não houve registro de incidentes graves - todas as manifestações correram de forma pacífica. Uma demonstração de civismo poucas vezes vista neste país.


E a verdade é que o povo está coberto de razão ao ir para as ruas protestar dessa forma. As coisas neste país chegaram a um patamar nunca antes visto na história. Nunca se ouviu falar tanto de corrupção como agora - e olha que é um assunto recorrente, e não é exclusividade do atual governo.
Mas as coisas agora estão piores do que nunca... e todo santo dia se vê na mídia um fato novo trazido pela Lava Jato: uma delação, um depoimento, uma condenação... Isto sem falar na crise econômica: desemprego em alta, dólar e inflação disparando, recessão, etc.
E o governo não toma qualquer providência para encontrar uma saída para estas situações... e quando o faz, demonstra que quer penalizar ainda mais o povo: aumenta impostos, corta benefícios dos trabalhadores, tenta a todo custo recriar a CPMF, enfim... não honra de forma alguma os votos recebidos no último pleito, que os trouxeram ao poder.
Sim... porque não basta apenas ser eleito democraticamente com a maioria dos votos da população. É preciso honrar os votos recebidos. E como se faz isso? Fazendo um bom trabalho em prol do povo, claro! Mas não é isso que estamos vendo... e sim, estamos vendo um governo envolvido até o pescoço em escândalos de corrupção, e tentando de forma desesperada um meio para se manter e se perpetuar no poder. Enquanto isso, todos aqueles que até outro dia apoiaram o governo, estão virando as costas... mas por quê? Porque são bonzinhos e querem o melhor para o país?! Nada disso! Porque há interesses envolvidos, e em algum momento, o governo contrariou esses interesses. Aí, danou-se.

Pois bem. Voltemos ao contexto das manifestações. Existem aqueles - especialmente lideranças e militâncias partidárias alinhadas com o atual governo - que associam estes protestos a setores privilegiados e minoritários da nossa sociedade. O que está longe de ser uma realidade: basta olhar, por exemplo, as multidões que ocuparam a Avenida Paulista, em São Paulo, e a Orla de Copacabana, no Rio de Janeiro. Estima-se que, na capital paulista, mais de 2 milhões de pessoas compareceram; e no Rio, foram de 700 mil a 1 milhão - tudo pelas contas dos organizadores.
Gente demais pra ser só uma "elite" - ao menos no meu ponto de vista.

Mas mesmo com tudo isso, ainda insistem em usar o velho e batido discurso da "burguesia contra o proletariado"; da "elite contra o povo"; do "rico contra o pobre"... e por aí vai. Mas sempre tentando ludibriar as pessoas com base em ideologias políticas que, francamente... só mesmo sendo muito iludido e ingênuo para se acreditar nelas.
A verdade é que, aqui no Brasil, as coisas estão tão deturpadas, e as instituições políticas estão corrompidas de tal modo que eu acabo me atrevendo a afirmar, com convicção: não existe direita nem esquerda neste país.
Ninguém - eu disse NINGUÉM - da nossa atual classe política se preocupa com o povo ou com este ou aquele setor da sociedade: todo mundo ali só pensa no próprio umbigo. Só pensa no quanto vai ganhar e enriquecer às custas do nosso dinheiro. E que se dane o resto.
Por essas e outras razões, é que nenhum político de nenhum partido tem a menor credibilidade - e dá pra se contar nos dedos quantos deles não estão envolvidos em algum tipo de escândalo, esquema de propina ou falcatrua.
PT, PSDB, PC do B, PSOL, PMDB, DEM, PP, PR, PQP (sim, eu estou sendo irônico)... NENHUM destes partidos nos representa. Sejam do bloco do atual governo, sejam da oposição.

E querem uma prova disso? Basta olhar para a manifestação de Sampa. Um pequeno detalhe antes de contar o que rolou: as mesmas lideranças e militâncias partidárias alinhadas com o governo (além de seus poucos simpatizantes) costumam associar manifestações como as deste domingo com os partidos de oposição, colocando-as como manobras de articulação destes partidos.
Pois bem: duas notórias lideranças tucanas, o governador de São Paulo Geraldo Alckmin e o senador Aécio Neves, considerado uma das principais lideranças da oposição no Congresso (hein?!), foram ao protesto. E receberam uma sonora vaia dos manifestantes, chegando a ser xingados de "oportunistas".
Vejam bem: o protesto é contundentemente contra o atual governo... e quando políticos de um partido de oposição chegam para participar, são recebidos com vaias. Curioso, não?
Será que assim como o atual governo, esses políticos de oposição também não estão cumprindo suas funções como deveriam, deixando de honrar os votos que receberam de seus eleitores? É algo que eu creio que seja bem provável.

Por fim... o povo tem a mais absoluta razão para ir às ruas em protesto e pedir a saída do atual governo. Afinal de contas, até onde eu saiba, estamos em uma democracia, e o povo tem direito de demonstrar livremente sua indignação e sua insatisfação com a atual situação do país - diga-se de passagem, o direito à livre manifestação é garantido pela nossa Constituição.
E outra: democracia não se faz só nas urnas de quatro em quatro anos... também se faz nas ruas. Porque nenhum político ganha status de deus porque foi eleito democraticamente. Nenhuma autoridade se torna intocável porque recebeu tantos milhões de votos do eleitorado.
Um político nada mais é do que um empregado da população, sustentado com o dinheiro suado dos impostos pagos por ela. E é obrigação dele fazer um governo decente, trabalhando em benefício da população - e se não o fizer, tem mais é que cair fora e passar a vez.

Nós, brasileiros, já estamos fartos de ver tanta pouca-vergonha. De ver tanta corrupção, tanta roubalheira, tanto descaso. E a verdade é que nenhum político ou partido nos representa - seja do governo, da oposição, da direita, da esquerda ou da porcaria que o valha.
Pra ser bem sincero, eu acredito que este país deveria mesmo era começar do zero... nem que para isso seja necessário tomar duas bombas atômicas na cara, como aconteceu com o Japão no final da Segunda Guerra.
E para ser mais sincero ainda, talvez nem tudo esteja perdido por aqui... pois há um brasileiro que nos últimos tempos, vem honrando seu país como ninguém. E não pertence à classe política: não ocupa cargo de relevância governamental, não recebeu voto em eleição, não fez propaganda política nem nada. Mas está prestando um serviço imensurável à nação, com personalidade, coragem e determinação, como nunca se viu antes.
Este brasileiro atende por um nome: Sérgio Fernando Moro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário